Dialetologia e Diacronia

O grupo Dialectologia e Diacronia estuda a variação linguística no espaço e no tempo, sob diferentes perspectivas teóricas e cobrindo diversas áreas da gramática. Tem como objectivo geral ampliar o conhecimento sobre a língua portuguesa (e as propriedades universais das línguas naturais), mas descentrando a investigação da(s) variedade(s) padrão e adoptando sempre uma perspectiva comparativa na análise linguística. O grupo produz e disponibiliza recursos concebidos para suportar a descrição e compreensão de variedades, dialectais e históricas, que não coincidem com a competência linguística do investigador (nomeadamente, edições de textos, corpora anotados, léxicos e atlas linguísticos).

 Três equipas de investigação integram o grupo Dialectologia e Diacronia (funcionando em articulação estreita, tanto na partilha de recursos como no cruzamento de competências):
 
ATLAS – Investigação no âmbito da geografia linguística, particularmente direccionada para o estudo do léxico, da fonologia e da morfologia. A equipa, que constituiu e gere um extenso arquivo sonoro, especializou-se na produção de atlas linguísticos e bases de dados lexicais.
 
CARDS/FLY – Investigação no âmbito da variação histórica, com interesse particular na análise do discurso e na pragmática histórica. A produção especializada de edições electrónicas de textos de escrita quotidiana é um objectivo central da equipa.
 
CORDIAL – Investigação no âmbito da sintaxe comparada, com interesse particular na sintaxe dialectal e na sintaxe diacrónica. A contribuição do conhecimento da variação linguística para a compreensão das propriedades universais das línguas naturais e a anotação sintáctica de corpora são preocupações da equipa.

Capítulo de Livro
Marquilhas, R. (2005). Conceitos de pragmática linguística na mise-en-page do texto escrito. In Cultura Letrada no Brasil: Objectos e Práticas (pp. 77-85). M. Abreu et al. Campinas, SP: Mercado de Letras.
Marquilhas, R. (2004). O preço da ilegibilidade. In (pp. 721-747). A. I. Boullón Agrelo. A Coruña: Fundación Pedro Barrié de la Maza.
Marquilhas, R. (2003). Mudança analógica e elevação das vogais pretónicas. In Razões e emoção. Miscelânea de estudos em homenagem a Maria Helena Mira Mateus (2nd ed., Vol. 2, pp. 7-18). I. Castro & I. Duarte. Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda.
Marquilhas, R. (2002). Língua, Identidade Linguística. In . DEBS. Lisboa: Ministério da Educação.
Marquilhas, R. (2002). Analfabetos o funcionarios? Vestigios de la tradición burocrática en los actuales niveles de ´literacía´. In La Conquista del Alfabeto. Escritura y clases populares (pp. 267-285). A. Castillo Gómez. Gijón: Ediciones Trea.
Marquilhas, R., Villalva, A., Correia, C. N., & Albino, C. (2002). Tratamento etimológico dos nomes de ocupação. In História do Trabalho e das Ocupações, coord. N. L. Madureira (Vol. III, pp. 349-368). Oeiras: Celta.
Marquilhas, R. (2001). Em torno do Vocabulario de Bluteau. In (pp. 105-118). In Caminhos do Português. Lisboa: Biblioteca Nacional.
Marquilhas, R. (2000). A tantos dias de tal mes pasou tal mandado, ou tal dilligençia pera tal cousa. In (pp. 185-207). M. R. Delgado-Martins, G. Ramalho & A. Costa. Lisboa: Caminho.
Marquilhas, R. (1999). Orientación mágica del texto escrito. In (Escribir y leer en el siglo de Cervantes. Col. Lea and Lectura, Escritura and Alfabetizacióna, ed. A. Castillo Gómez. Barcelona: Gedisa, pp. 111-128). .
Marquilhas, R., & Madureira, N. L. (1999). PACO. In (p. 18). Normas de transcrição. In Cadernos do ILTEC. Lisboa: Instituto de Linguística Teórica e Computacional.
Marquilhas, R. (1998). Mãos inábeis nos arquivos da Inquisição. In (pp. 761-767). D. Kremer. Vigo: Galaxia.
Marquilhas, R. (1996). A mudança linguística. In Introdução à Linguística Geral e Portuguesa (pp. 563-588). I. H. Faria et al. Lisbon: Caminho.
Marquilhas, R. (1994). A formação da Língua Portuguesa. In História de Portugal (Vol. II, pp. 349-358). org. J. Medina. Lisbon: Ediclube.
Marquilhas, R. (1993). Tipografia. In Dicionário da Literatura Medieval Galega e Portuguesa, org. G (pp. 624-627). Lanciani & G. Tavani. Lisbon: Caminho.
Marquilhas, R. (1991). Origem e elaboração da Língua Portuguesa. In Atlas da Língua Portuguesa na História e no Mundo (pp. 24-29). A. L. Ferronha. Lisbon: Imprensa Nacional-Casa da Moeda.
Marquilhas, R. (1990). Glossary of Filologia. In Dicionário de Termos Linguísticos (Vol. I). org. M. F. Xavier & M. H. Mateus: Lisbon.
Marquilhas, R. (1988). Traçado de um percurso filológico. In Sete Ensaios sobre a Obra de Joseph-Maria Piel (p. 58‑75). I. Castro. Lisbon: Publicações do Instituto de Linguística - FLUL.
Marquilhas, R. (1987). O acento, o hífen e as consoantes mudas nas ortografias antigas portuguesas. In (pp. 103-116). In A Demanda da Ortografia Portuguesa, org. I. Castro et al. Lisbon: João Sá da Costa.
Costa, A. L., Alexandre, N., Santos, A. L., & Soares, N. (2008). Efeitos de modelização no input: o caso da aquisição de conectores. In Textos seleccionados do XXII Encontro da Associação Portuguesa de Linguística. S. Frota e A. L. Santos. Lisboa: APL.
Ambar, M., Mateus, M. H., & Mota, M. A. (1980). Adéquation des modèles théoriques à l’enseignement du portugais-langue étrangère. In Encrages (pp. 66-73). .
Bazenga, A. (2012). Variation in subject-verb agreement in an insular dialect of European Portuguese. In Non-dominating Varieties of pluricentric Languages. Getting the Picture. In memory of Prof. Michael Clyne (pp. 335-356). ISBN: 978-3-631-62024-3.
Bazenga, A. (2011). Concordância Verbal e variantes de 3ª pessoa do plural em PE: Resultados preliminares de um estudo sociolinguístico com base numa amostra de Português Falado no Funchal. In Línguas Pluricêntricas: Variação Linguística e Dimensões Sociocognitivas / Pluricentric Languages: Linguistic Variation and Sociognitive Dimensions (pp. 301–318). ISBN: 978-972-697-201-3.
Cardoso, A. (2012). Extraposition of restrictive relative clauses in the history of Portuguese, in Parameter theory and linguistic change. In (pp. 77-96). Galves, S. Cyrino, R. Lopes, F. Sandalo & J. Avelar. Oxford: Oxford University Press.
Cardoso, A. (2008). Desenvolver c ompetências de análise linguística, in Desenvolver Competências em Língua Portuguesa. In (pp. 137-172). Sousa & A. Cardoso. Lisboa: Centro Inderdisciplinar de Estudos Educacionais / Escola Superior de Educação de Lisboa.
Cardoso, A. (2003). O texto informativo/explicativo no 1º Ciclo, in A Didáctica das Línguas e Literaturas em Portugal: contextos de emergência, condições de existência e modos de desenvolvimento. In (C. Mello and A. Silva and C. Lourenço and L. Oliveira and M. H. Araújo e Sá. Coimbra: SPDLL and Pé de Página, pp. 75-80). .
Duarte, I., & Costa, A. L. (2004). The place of Portuguese as a First Language in the National Curriculum of Basic Education, in Flexibility in the Curriculum, Citizenship and Communication. In . Lisboa: ME-DEB.
Carrilho, E., Magro, C., & Pereira, S. (2004). Morphological Tagging and Syntactic Annotation of a Dialectal European Portuguese Corpus, in Language Technology for Portuguese: shallow processing tools and resources. In (pp. 73-87). Branco, A. Mendes & R. Ribeiro. Lisboa: Colibri.
Martins, A. M. (2014). Syntactic change in Portuguese and Spanish: divergent and parallel patterns of linguistic splitting, in Portuguese/Spanish Interfaces. In (pp. 35-64). Amaral & A. M. Carvalho. Amsterdam/Philadelphia: John Benjamins.
Martins, A. M. (2013). Copiar o português duocentista: A Demanda e o José de Arimateia. In Ao Sabor do Texto. Estudos dedicados a Ivo Castro (pp. 383-402). R. Álvarez, A. M. Martins, H. Monteagudo & M. A. Ramos. Santiago de Compostela: Universidade de Santiago de Compostela.
Martins, A. M. (2013). A posição dos pronomes pessoais clíticos, in Gramática do Português. In (Amália Mendes, Luísa Segura, Maria Mota, Maria Bacelar do Nascimento, E. Raposo (eds.), pp. 2231-2302). Fundação Calouste Gulbenkian.