Dialetologia e Diacronia

O grupo Dialetologia e Diacronia estuda a variação linguística no espaço e no tempo, sob diferentes perspetivas teóricas e abrangendo diversas áreas da gramática. Tem como objetivo geral ampliar o conhecimento sobre as propriedades das línguas naturais, com a particularidade de centrar a sua investigação em variedades linguísticas não padrão. Este traço distintivo traduz-se na produção de resultados em duas linhas complementares.

Geolinguística: design, construção e disponibilização de recursos (edições de textos, léxicos, atlas linguísticos e corpora anotados) para suportar a descrição e compreensão de variedades históricas e contemporâneas do português, e ainda de outras variedades linguísticas relacionadas (caso das variedades do caboverdiano).

Linguística teórica: análise de dados de variação linguística, em particular no âmbito da sintaxe e da semântica comparadas, à luz de propostas científicas que permitem melhor compreender a linguagem humana.

Estas duas linhas de produção funcionam aqui em articulação estreita, tanto do ponto de vista interno à criação dos diferentes recursos como quanto à base empírica que estes proporcionam a muitos dos trabalhos científicos dos seus membros e colaboradores. De facto, princípios e procedimentos da área das humanidades digitais são partilhados por diferentes corpora geridos pela equipa, estando estes igualmente codificados em XML e alojados na plataforma TEITOK: um deles suportado por uma vasta coleção de textos de escrita quotidiana da idade moderna; outros suportados por um extenso arquivo sonoro de variedades do português contemporâneo; e um outro ainda suportado por um arquivo sonoro de variedades contemporâneas do caboverdiano. Ao mesmo tempo, investigadores do grupo utilizam com frequência estes mesmos recursos para explorar uma grande diversidade de tópicos, sob diferentes ângulos e para diversos fins.

Todas as ferramentas digitais são assim concebidas com esse horizonte multidisciplinar, facultando complexas camadas de anotação linguística em paralelo com informação não linguística relevante, bem como uma vasta gama de possibilidades de busca automática acessíveis a toda a comunidade.

Capítulo de Livro
Leitão, A. (2016). Documentary Evidence in Early Modern Portugal and Overseas: A Window to Literacy Practices. In , in Reading and writing from below: exploring the margins of modernity (pp. 251-268). , Umeå: Umeå University & The Royal Skyttean Society.
Lobo, M., & Martins, A. M. (2017). Subjects. In Manual of Romance Morphosyntax and Syntax (A. Dufter and E. Stark). Berlin & Boston: De Gruyter.
Martins, A. M., & Costa, J. (2016). Ordem dos constituintes frásicos: sujeitos invertidos, objetos antepostos. In (A. M. Martins & E. Carrilho, pp. 371-400). Berlin/Boston: De Gruyter.
Martins, A. M., & Nunes, J. (2016). Passives and Se Constructions. In The Handbook of Portuguese Linguistics (Leo Wetzels, Sergio Menuzzi and João Costa, pp. 318-337). Hoboken, NJ: Wiley-Blackwell.
Martins, A. M. (2016). A colocação dos pronomes clíticos em sincronia e diacronia. In Manual de Linguística Portuguesa (A. M. Martins & E. Carrilho, p. 401430.). Berlin/Boston: De Gruyter.
Martins, A. M. (2016). Introdução: O português numa perspetiva diacrónica e comparativa. In Manual de Linguística Portuguesa (A. M. Martins & E. Carrilho, pp. 1-39). Berlin/Boston: De Gruyter.
Martins, A. M. (2016). O sistema responsivo: padrões de resposta a interrogativas polares e a asserções. In Manual de Linguística Portuguesa (A. M. Martins & E. Carrilho, pp. 581-609). Berlin/Boston: De Gruyter.
Martins, A. M. (2016). VP and TP Ellipsis: sentential polarity and information structure. In Grammatical Interfaces in Romance (Susann Fischer and Christoph Gabriel, Vol. 457-485.). Berlin/Boston: De Gruyter.
Martins, A. M., Santos, A. L., & Duarte, I. (2017). Syntactic complexity in children with Autism Spectrum Disorder and Specific Language Impairment. In Language Processing and Disorders (L. Escobar and V. Torrens and T. Parodi). Newcastle: Cambridge Scholars Publishing.
Martins, A. M. (2015). Negation and NPI composition inside DP. In Syntax over Time: Lexical, Morphological and Information-Structural Interactions (T. Biberauer & G. Walkden). Oxford/New York: Oxford University Press.
Mota, M. A. (2016). Morfologia nas interfaces. In Manual de Linguística Portuguesa (A. M. Martins & E. Carrilho, pp. 156-177). Berlin/Boston: De Gruyter.
Nunes, N. (2016). A cultura açucareira e a alimentação: património linguístico e cultural comum das ilhas atlânticas e do Brasil. In (J. Pinheiro e C. Soares, pp. 239-264). Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra.
Pratas, F., Pereira, S., & Pinto, C. (2016). Foreword: challenging the frontiers between “nations”. In Coordination and Subordination. Form and Meaning – Selected Papers from CSI Lisbon 2014 (Vol. 2014, p. vii—xx). Cambridge Scholars Publishing.
Saramago, J. (2016). Falar corvino. In Retratos Sociais da ilha do Corvo (Do povoamento ao século XIX) (Teodoro de Matos, A. & J. G. Reis Leite, pp. 167-181). Açores: Câmara Municipal do Corvo / Núcleo Cultural da Horta.
Saramago, J., & Pedras, L. S. das. (2016). Açores e Ilha de Santa Catarina: 8000 quilómetros e 260 anos depois. In Estudos geossociolinguísticos brasileiros e europeus: uma homenagem a Michel Contini (V. A. Aguilera & M. P. B. Doiron, pp. 225-236). Cascavel, PR. /Londrina: EDUNIOESTE/EDUEL.
Mendes, A. (2003). A expressão da emoção em predicados verbais do português: uma análise sintáctico-semântica com base num corpus. In S. F. Brandão & Mota, M. A. (Eds.), Análise contrastiva de variedades do português: primeiros estudos (pp. 103-123). Rio de Janeiro: In Fólio.
Bacelar do Nascimento, M. F., Callou, D., Serra, C., Barbosa, A., Barreto, F., Amaro, R., et al. (2003). A posição do adjectivo no sintagma nominal. In S. F. Brandão & Mota, M. A. (Eds.), Análise contrastiva de variedades do português: primeiros estudos (pp. 1-35). Rio de Janeiro: In Fólio.
Marrafa, P., Gonçalves, J. B., & Mendes, A. (1999). A Sintaxe do LE PAROLE. In P. Marrafa & Mota, M. A. (Eds.), Linguística Computacional. Investigação Fundamental e Aplicações (pp. 191-205). Lisboa: Associação Portuguesa de Linguística.
Nunes, N., & Rebelo, H. (2015). Regionalismos Madeirenses. In Aprender Madeira – Dicionário Enciclopédico. . Retrieved from http://aprenderamadeira.net/regionalismos-madeirenses/
Nunes, N. (2015). Alcunhas. In Aprender Madeira – Dicionário Enciclopédico. . Retrieved from http://aprenderamadeira.net/alcunhas/
Nunes, N. (2015). Antroponímia primitiva da Madeira (séculos XV e XVI). In Aprender Madeira – Dicionário Enciclopédico. . Retrieved from http://aprenderamadeira.net/antroponimia-primitiva-da-madeira-seculos-xv-e-xvi/
Nunes, N. (2019). A Linguística Histórica e o Léxico Diferencial: Variação Dialetal e Sociolinguística de Alguns Regionalismos do Português Falado na Ilha da Madeira. In Estudos Linguísticos e Filológicos Oferecidos a Ivo Castro (Ernestina Carrilho, Ana Maria Martins, Sandra Pereira e João Paulo Silvestre (eds.). Lisboa: Centro de Linguística da Universidade de Lisboa.
Nunes, N. (2019). A identidade sociocultural e linguística madeirense através da memória da ‘Festa’ e dos arraiais madeirenses no contexto das mobilidades e do turismo. In Memória e Identidade Insular: Religiosidade, Festividades e Turismo nos Arquipélagos da Madeira e Açores (Duarte Nuno Chaves, pp. 337-356). S. Jorge-Açores: CHAM-UAç/Misericórdia das Velas.
Nunes, N. (2012). A contribuição da Linguística para o estudo da rota e da terminologia açucareiras: do Mediterrâneo ao Atlântico. In La ruta azucarera atlántica: historia y documentación (Ana Viña e Dolores Corbella, p. 44). Região Autónoma da Madeira/Comunidad Autónoma de Canarias: Centro de Estudos de História do Atlântico/Universidad de La Laguna.
Nunes, N. (2007). Madeirensismos e brasileirismos na terminologia açucareira (do século XV à atualidade). In Novas contribuições para o estudo da história e da historiografia da língua portuguesa (Clotilde de Almeida Azevedo Murakawa e Maria Filomena Gonçalves, pp. 189-233). São Paulo: Cultura Académica Editora. Retrieved from http://home.uevora.pt/~fvaz/Publica%E7%F5esProjectoCen%E1culo/FilomenaGon%E7alves1.pdf
Nunes, N. (2004). Alcunhas e nomes geográficos na literatura regional madeirense. In Novi te ex nomine. Estudos filolóxicos oferecidos ao Prof. Dr. Dieter Kremer (Ana Boullón). La Coruña: Instituto da Língua Galega/Fundacion Pedro Barrié de la Maza. Retrieved from https://www.academia.edu/6257895/ALCUNHAS_E_NOMES_GEOGR%C3%81FICOS_NA_LITERATURA_REGIONAL_MADEIRENSE
Marquilhas, R., & Cardoso, A. (2012). O estilo do crime: análise de texto em estilística forense. In Textos Selecionados, XXVII Encontro Nacional da Associação Portuguesa de Linguística (pp. 416-436). APL. Retrieved from http://www.clul.ulisboa.pt/files/rita_marquilhas/Marquilhas_Cardoso_versao_publicada-2.pdf
Álvarez, X., & Segura, L. (2018). Les désignations romanes de la perdrix + Carte PERDRIX”. In Atlas Linguistique Roman (ALiR) (Vol. volume IIc Commentaires + Cartes,). Edizioni dell’Orso.
Costa, A. L., Matos, G., & Luegi, P. (2010). Processamento de relações anafóricas com sujeitos omitidos em Português Europeu. In Textos Selecionados Do Xxv Encontro Nacional Da Associação Portuguesa De Linguística (pp. 351-364). Associação Portuguesa de Linguística.
Artigo em Atas
Costa, A. L. (2015). Concessivas num corpus da Idade. In ModernaXXX Encontro Nacional da Associação Portuguesa de Linguística. Textos Selecionados (A. Moreno, F. Silva & J. Veloso, pp. 195-212). Braga: APL.