Dialetologia e Diacronia

O grupo Dialetologia e Diacronia estuda a variação linguística no espaço e no tempo, sob diferentes perspetivas teóricas e abrangendo diversas áreas da gramática. Tem como objetivo geral ampliar o conhecimento sobre as propriedades das línguas naturais, com a particularidade de centrar a sua investigação em variedades linguísticas não padrão. Este traço distintivo traduz-se na produção de resultados em duas linhas complementares.

Geolinguística: design, construção e disponibilização de recursos (edições de textos, léxicos, atlas linguísticos e corpora anotados) para suportar a descrição e compreensão de variedades históricas e contemporâneas do português, e ainda de outras variedades linguísticas relacionadas (caso das variedades do caboverdiano).

Linguística teórica: análise de dados de variação linguística, em particular no âmbito da sintaxe e da semântica comparadas, à luz de propostas científicas que permitem melhor compreender a linguagem humana.

Estas duas linhas de produção funcionam aqui em articulação estreita, tanto do ponto de vista interno à criação dos diferentes recursos como quanto à base empírica que estes proporcionam a muitos dos trabalhos científicos dos seus membros e colaboradores. De facto, princípios e procedimentos da área das humanidades digitais são partilhados por diferentes corpora geridos pela equipa, estando estes igualmente codificados em XML e alojados na plataforma TEITOK: um deles suportado por uma vasta coleção de textos de escrita quotidiana da idade moderna; outros suportados por um extenso arquivo sonoro de variedades do português contemporâneo; e um outro ainda suportado por um arquivo sonoro de variedades contemporâneas do caboverdiano. Ao mesmo tempo, investigadores do grupo utilizam com frequência estes mesmos recursos para explorar uma grande diversidade de tópicos, sob diferentes ângulos e para diversos fins.

Todas as ferramentas digitais são assim concebidas com esse horizonte multidisciplinar, facultando complexas camadas de anotação linguística em paralelo com informação não linguística relevante, bem como uma vasta gama de possibilidades de busca automática acessíveis a toda a comunidade.

Artigo em Revista
Martins, A. M., & Albino, C. (1998). Sobre a primitiva produção documental em português: notícia de uma Noticia de auer, in Homenaxe a Ramón Lorenzo. D. Kremer, 1, 105-121.
Martins, A. M. (1985). Vidas de santos de um manuscrito Alcobacense: Vida de Tarsis, Vida de uma Monja, in Vidas de Santos de um Manuscrito Alcobacense (Colecção Mística de Frei Hilário de Lourinhã. Cód. Alc. Cclxvi/Antt 2274), 16-19.
Mota, M. A., Rodrigues, C., & Soalheiro, E. (2003). Padrões flexionais nos pretéritos fortes. Pe Falado Setentrional, In Razão E Emoções , II - Volume de Homenagem a Maria Helena Mira Mateus, 129-155.
Carrilho, E. (2008). Beyond doubling: overt expletives in European Portuguese dialects, in Syntax and Semantics. Vol. 36: Microvariation In Syntactic Doubling, 36:, 301-323.
Bazenga, A. (2007). Aspects de la syntaxe. De La Sémantique Et De La Morphologie Des Verbes À /Complexité/. Linguistics Editon, 61.
Álvarez, R., Martins, A. M., Monteagudo, H., & Ramos, M. A. (2013). Ao Sabor do Texto. Estudos Dedicados A Ivo Castro. Santiago De Compostela: Universidade De Santiago De Compostela, Servizo De Publicacións E Intercambio Científico. Isbn:, 978-84.
Segura, L., & Vitorino, G. (2010). Atlas Linguístico-Etnográfico dos Açores. ., II.
Ferreira, M. B., Saramago, J., Segura, L., Vitorino, G., Carrilho, E., & Lobo, M. (2008). Atlas Linguístico-Etnográfico dos Açores. ., I.
Segura, L. (2012). Linguistic and Ethnographic Atlas of Azores (ALEAç). Author Of The Following Linguistic Maps (Morphophonology), 277, 276. Retrieved from http://www.culturacores.azores.gov.pt/alea/
Nunes, N. (2014). Entre ilhas e culturas: palavras e coisas. Património Cultural Das Ilhas Atlânticas. Blogue Memória Das Histórias Das Gentes Que Fazem A História, Newsletter, 22, 7-8. Retrieved from http://memoriadasgentes.blogspot.pt/2014/11/newsletter-22-mobilidades-e.html
Saramago, J. (2012). Linguistic and Ethnographic Atlas of Azores (ALEAç). Author Of The Following Linguistic Maps (Morphophonology), 649, 648. Retrieved from http://www.culturacores.azores.gov.pt/alea/
Bazenga, A., & Sousa, A. (2011). Glossary- Linguistic Terms. P.i.n.o.k. I. O – Pupils For Innovation As A Key To Intercultural And Social Inclusion. Dlv, 16.
Bazenga, A. (2009). Crosscultural Humour: Humour that divides; Humour that unites. An Introduction, 2.
Bazenga, A., & Antunes, L. M. (2009). Tem mas não há: sorrir em Timor. Jolie 2.
Bazenga, A. (2004). Aspects de l’interface syntaxe/sémantique: le cas des verbes à /complexité/. Studia Romanica Posnaniensia Xxxi: 155-165. Isnn:, 0137-2475.
Brissos, F. (2014). New insights into Portuguese central-southern dialects: understanding their present and past forms through acoustic data from stressed vowels. Journal Of Portuguese Linguistics 13.
Brissos, F., & Saramago, J. (2014). O problema da diversidade dialectal do Centro-Sul português: informação perceptiva versus informação acústica. Estudos De Lingüística Galega, 6, 53-80. Retrieved from http://www.usc.es/revistas/index.php/elg
Cardoso, A., & Magro, C. (2012). The syntax of naming constructions in European Portuguese dialects. Journal Of Portuguese Linguistics 11.
Cardoso, A. (2011). Orações apositivas em português: entre a sincronia e a diacronia. Estudos De Lingüística Galega.
Cardoso, A., Pereira, S., Sousa, O., & Silva, E. (2009). On the Development of Textual Skills. L1 – Educational Studies In Language And Literature 9.
Cardoso, A., & Pereira, S. (2002). Contributos para o estudo da emergência do tempo composto em Português. Revista Da Abralin — Associação Brasileira De Linguística 2.
Cardoso, A., & Magro, C. (2012). The syntax of naming constructions in European Portuguese dialects: variation and change. Journal Of Portuguese Linguistics 11.
Magro, C. (2010). Interpolação & Cia. Nos Dialectos Do Português Europeu. Estudos De Lingüistica Galega, 2, 97-119.
Magro, C. (2010). When corpus analysis refutes common beliefs. The Case Of Interpolation In European Portuguese Dialects. Corpus, 9, 115-135.
Martins, A. M. (2014). How much syntax is there in Metalinguistic Negation?. Natural Language And Linguistic Theory 32. Retrieved from http://link.springer.com/article/10.1007\%2Fs11049-013-9221-9#page-1
Martins, A. M. (2014). Review of: Meisel, Jürgen M. Martin Elsig & Esther Rinke 2013. Language Acquisition And Change. A Morphosyntactic Perspective. Edinburgh: Edinburgh University Press. Folia Linguistica, 48.
Martins, A. M. (2013). Emphatic Polarity in European Portuguese and Beyond. Lingua, 128, 95-123. Retrieved from http://dx.doi.org/10.1016/j.lingua.2012.11.002
Martins, A. M. (2013). The interplay between VSO and coordination in two types of non-dregree exclamatives. Catalan Journal Of Linguistics, 12, 95-123. Retrieved from http://revistes.uab.cat/catJL/article/view/v12-martins/pdf-en
Martins, A. M. (2011). Scrambling and Information Focus in Old and Contemporary Portuguese. Catalan Journal Of Linguistics, 10, 1-26.
Costa, J., & Martins, A. M. (2011). On Focus Movement in European Portuguese. Probus 23.