Dialetologia e Diacronia

O grupo Dialectologia e Diacronia estuda a variação linguística no espaço e no tempo, sob diferentes perspectivas teóricas e cobrindo diversas áreas da gramática. Tem como objectivo geral ampliar o conhecimento sobre a língua portuguesa (e as propriedades universais das línguas naturais), mas descentrando a investigação da(s) variedade(s) padrão e adoptando sempre uma perspectiva comparativa na análise linguística. O grupo produz e disponibiliza recursos concebidos para suportar a descrição e compreensão de variedades, dialectais e históricas, que não coincidem com a competência linguística do investigador (nomeadamente, edições de textos, corpora anotados, léxicos e atlas linguísticos).

 Três equipas de investigação integram o grupo Dialectologia e Diacronia (funcionando em articulação estreita, tanto na partilha de recursos como no cruzamento de competências):
 
ATLAS – Investigação no âmbito da geografia linguística, particularmente direccionada para o estudo do léxico, da fonologia e da morfologia. A equipa, que constituiu e gere um extenso arquivo sonoro, especializou-se na produção de atlas linguísticos e bases de dados lexicais.
 
CARDS/FLY – Investigação no âmbito da variação histórica, com interesse particular na análise do discurso e na pragmática histórica. A produção especializada de edições electrónicas de textos de escrita quotidiana é um objectivo central da equipa.
 
CORDIAL – Investigação no âmbito da sintaxe comparada, com interesse particular na sintaxe dialectal e na sintaxe diacrónica. A contribuição do conhecimento da variação linguística para a compreensão das propriedades universais das línguas naturais e a anotação sintáctica de corpora são preocupações da equipa.

Capítulo de Livro
Leitão, A. (2007). Características inovadoras no ensino de português LE no Brasil, in Repensar a Escola Hoje: o contributo dos Jesuítas. In (pp. 289-306). Gonçalves et al. Braga: ALETHEIA- Universidade Católica Portuguesa.
Leitão, A. (2007). Para uma História da Didáctica do Português Língua Não Materna, in Pelas Oito Partidas da Língua Portuguesa - Homenagem ao Professor João Malaca Casteleiro. In (pp. 41-52). Mata & M. J. Grosso. Macau: Universidade de Macau/ Instituto Politécnico de Macau / Departamento de LCP.
Leitão, A., Verguete, C., & Cardoso, L. (2007). A Falar é que a Gente se Entende, in Pelas Oito Partidas da Língua Portuguesa - Homenagem ao Professor João Malaca Casteleiro. In (pp. 53-64). Mata & M. J. Grosso. Macau: Universidade de Macau/ Instituto Politécnico de Macau / Departamento de LCP.
Segura, L. (2013). Geografia da Língua Portuguesa. In Gramática do Português (Vol. I, pp. 71-81). Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.
Segura, L. (2013). Variedades dialetais do Português Europeu. In Gramática do Português (Vol. I, pp. 85-142). Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.
Segura, L. (2008). O Atlas Linguístico-Etnográfico dos Açores- Dados para uma classificação dos dialectos açorianos, in Estudos geolingüísticos e dialetais sobre o português. In (A. N. Isquerdo. Campo Grande, pp. 249-272). da UFMS.
Segura, L. (2003). Variação dialectal em território português. In (pp. 181-196). S. Brandão & M. A. Mota. Rio de Janeiro: In-Fólio.
Amaro, R., & Mendes, S. (2016). Lexicologia e Linguística Computacional. In A. M. Martins & Carrilho, E. (Eds.), Manual de Linguística Portuguesa (pp. 178-199). Berlim: De Gruyter Mouton.
Carvalheiro, C., Costa, A. L., Marquilhas, R., Pinto, C., Pratas, F., & Vaamonde, G. (2016). A Idade dos desvios: diacronia, variação social e linguística de corpus. In Lingüística de corpus y lingüística histórica iberorrománica (J. Kabatek, pp. 175-196). Berlin: DeGruyter.
Costa, A. L., Costa, A., & Gonçalves, A. (2017). Conhecimento implícito, consciência linguística e escrita. In A aquisição de língua materna e não materna. Questões gerais e dados do Português (M. J. Freitas and A. L. Santos). Berlin: Language Science Press. Retrieved from http://langsci-press.org/
Costa, A. L., Costa, A., & Gonçalves, A. (2017). Consciência linguística: aspetos sintáticos. In Aquisição de Língua Materna e Não Materna. Questões Gerais e Dados do Português (M. J. Freitas and A. L. Santos, pp. 409-438). Questões Gerais e Dados do Português. Berlin: Language Science Press.
Costa, J., & Pratas, F. (2015). Null subjects in monolingual and bilingual, typical and atypical development, an exploratory study. In Specific Language Impairment: Current Trends in Research (S. Stavrakaki). Amsterdam/Philadelphia: John Benjamins.
Gonçalves, A., Carrilho, E., & Pereira, S. (2016). Predicados complexos numa perspetiva comparativa. In , in Manual de Linguística Portuguesa (A. M. Martins & E. Carrilho, pp. 523-557). Berlin/Boston: Mouton De Gruyter.
Kato, M. A., & Martins, A. M. (2016). European Portuguese and Brazilian Portuguese: an overview on word order. In The Handbook of Portuguese Linguistics (Leo Wetzels, Sergio Menuzzi and João Costa, pp. 15-40). Hoboken, NJ: Wiley-Blackwell.
Leitão, A. (2015). Língua, companheira do império: sentidos da educação ameríndia em língua portuguesa. In Origens da Educação Escolar no Brasil Colonial Vol. IV (T. Cézar, M. A. B. Ribas and others, Vol. IV, pp. 57-90). Maringá.
Leitão, A. (2016). Documentary Evidence in Early Modern Portugal and Overseas: A Window to Literacy Practices. In , in Reading and writing from below: exploring the margins of modernity (pp. 251-268). , Umeå: Umeå University & The Royal Skyttean Society.
Lobo, M., & Martins, A. M. (2017). Subjects. In Manual of Romance Morphosyntax and Syntax (A. Dufter and E. Stark). Berlin & Boston: De Gruyter.
Martins, A. M., & Costa, J. (2016). Ordem dos constituintes frásicos: sujeitos invertidos, objetos antepostos. In (A. M. Martins & E. Carrilho, pp. 371-400). Berlin/Boston: De Gruyter.
Martins, A. M., & Nunes, J. (2016). Passives and Se Constructions. In The Handbook of Portuguese Linguistics (Leo Wetzels, Sergio Menuzzi and João Costa, pp. 318-337). Hoboken, NJ: Wiley-Blackwell.
Martins, A. M. (2016). A colocação dos pronomes clíticos em sincronia e diacronia. In Manual de Linguística Portuguesa (A. M. Martins & E. Carrilho, p. 401430.). Berlin/Boston: De Gruyter.
Martins, A. M. (2016). Introdução: O português numa perspetiva diacrónica e comparativa. In Manual de Linguística Portuguesa (A. M. Martins & E. Carrilho, pp. 1-39). Berlin/Boston: De Gruyter.
Martins, A. M. (2016). O sistema responsivo: padrões de resposta a interrogativas polares e a asserções. In Manual de Linguística Portuguesa (A. M. Martins & E. Carrilho, pp. 581-609). Berlin/Boston: De Gruyter.
Martins, A. M. (2016). VP and TP Ellipsis: sentential polarity and information structure. In Grammatical Interfaces in Romance (Susann Fischer and Christoph Gabriel, Vol. 457-485.). Berlin/Boston: De Gruyter.
Martins, A. M., Santos, A. L., & Duarte, I. (2017). Syntactic complexity in children with Autism Spectrum Disorder and Specific Language Impairment. In Language Processing and Disorders (L. Escobar and V. Torrens and T. Parodi). Newcastle: Cambridge Scholars Publishing.
Martins, A. M. (2015). Negation and NPI composition inside DP. In Syntax over Time: Lexical, Morphological and Information-Structural Interactions (T. Biberauer & G. Walkden). Oxford/New York: Oxford University Press.
Mota, M. A. (2016). Morfologia nas interfaces. In Manual de Linguística Portuguesa (A. M. Martins & E. Carrilho, pp. 156-177). Berlin/Boston: De Gruyter.
Nunes, N. (2016). A cultura açucareira e a alimentação: património linguístico e cultural comum das ilhas atlânticas e do Brasil. In (J. Pinheiro e C. Soares, pp. 239-264). Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra.
Pratas, F., Pereira, S., & Pinto, C. (2016). Foreword: challenging the frontiers between “nations”. In Coordination and Subordination. Form and Meaning – Selected Papers from CSI Lisbon 2014 (Vol. 2014, p. vii—xx). Cambridge Scholars Publishing.
Saramago, J. (2016). Falar corvino. In Retratos Sociais da ilha do Corvo (Do povoamento ao século XIX) (Teodoro de Matos, A. & J. G. Reis Leite, pp. 167-181). Açores: Câmara Municipal do Corvo / Núcleo Cultural da Horta.
Saramago, J., & Pedras, L. S. das. (2016). Açores e Ilha de Santa Catarina: 8000 quilómetros e 260 anos depois. In Estudos geossociolinguísticos brasileiros e europeus: uma homenagem a Michel Contini (V. A. Aguilera & M. P. B. Doiron, pp. 225-236). Cascavel, PR. /Londrina: EDUNIOESTE/EDUEL.