Dialetologia e Diacronia

O objeto central de estudo do grupo Dialetologia e Diacronia (D&D) é a variação linguística, ao longo dos séculos e abrangendo diversas áreas geográficas. Os estudos descritivos e teóricos do grupo, que são regularmente publicados em revistas e volumes de prestígio, são acompanhados pela construção de diversos recursos digitais a partir de documentos históricos ou de dados orais contemporâneos em variedades não-padrão da língua portuguesas ou de línguas relacionadas com o português. Uma parte substancial destes dados orais foi recolhida em Portugal, quer nos arquipélagos da Madeira e dos Açores, quer no continente, sendo algumas das variedades em estudo faladas em diferentes pontos da fronteira com Espanha. Adicionalmente, o D&D estuda variedades do português ou relacionadas com o português que são, em grau variável, produto do contacto com outras línguas, tal como acontece com o cabo-verdiano e o português brasileiro. Todos estes trabalhos assumem uma perspetiva comparativa com outras línguas naturais, de diversas épocas e regiões.

As variedades-padrão, no entanto, não ficam para trás, uma vez que parte das atividades e resultados do grupo diz respeito (i) à intrincada articulação entre elas e as variedades não-padrão, e (ii) o desenvolvimento de novas ferramentas para o ensino formal do português.

Esta inclusão de variedades padrão e não-padrão assegura uma ponte entre a investigação teórica e a comunidade em geral (incluindo colaborações muito produtivas com outras entidades de ensino do português, tanto em Portugal como no estrangeiro), também garantida pela presença regular de vários membros do grupo em seminários e conferências online de acesso livre, e ainda reforçada por iniciativas de comunicação científica, como publicações para o público em geral e eventos culturais orientados para a linguagem.

Artigo em Revista
Martins, A. M., & Albino, C. (1998). Sobre a primitiva produção documental em português: notícia de uma Noticia de auer, in Homenaxe a Ramón Lorenzo. D. Kremer, 1, 105-121.
Martins, A. M. (1985). Vidas de santos de um manuscrito Alcobacense: Vida de Tarsis, Vida de uma Monja, in Vidas de Santos de um Manuscrito Alcobacense (Colecção Mística de Frei Hilário de Lourinhã. Cód. Alc. Cclxvi/Antt 2274), 16-19.
Mota, M. A., Rodrigues, C., & Soalheiro, E. (2003). Padrões flexionais nos pretéritos fortes. Pe Falado Setentrional, In Razão E Emoções , II - Volume de Homenagem a Maria Helena Mira Mateus, 129-155.
Carrilho, E. (2008). Beyond doubling: overt expletives in European Portuguese dialects, in Syntax and Semantics. Vol. 36: Microvariation In Syntactic Doubling, 36:, 301-323.
Bazenga, A. (2007). Aspects de la syntaxe. De La Sémantique Et De La Morphologie Des Verbes À /Complexité/. Linguistics Editon, 61.
Álvarez, R., Martins, A. M., Monteagudo, H., & Ramos, M. A. (2013). Ao Sabor do Texto. Estudos Dedicados A Ivo Castro. Santiago De Compostela: Universidade De Santiago De Compostela, Servizo De Publicacións E Intercambio Científico. Isbn:, 978-84.
Segura, L., & Vitorino, G. (2010). Atlas Linguístico-Etnográfico dos Açores. ., II.
Ferreira, M. B., Saramago, J., Segura, L., Vitorino, G., Carrilho, E., & Lobo, M. (2008). Atlas Linguístico-Etnográfico dos Açores. ., I.
Segura, L. (2012). Linguistic and Ethnographic Atlas of Azores (ALEAç). Author Of The Following Linguistic Maps (Morphophonology), 277, 276. Retrieved from http://www.culturacores.azores.gov.pt/alea/
Nunes, N. (2014). Entre ilhas e culturas: palavras e coisas. Património Cultural Das Ilhas Atlânticas. Blogue Memória Das Histórias Das Gentes Que Fazem A História, Newsletter, 22, 7-8. Retrieved from http://memoriadasgentes.blogspot.pt/2014/11/newsletter-22-mobilidades-e.html
Saramago, J. (2012). Linguistic and Ethnographic Atlas of Azores (ALEAç). Author Of The Following Linguistic Maps (Morphophonology), 649, 648. Retrieved from http://www.culturacores.azores.gov.pt/alea/
Bazenga, A., & Sousa, A. (2011). Glossary- Linguistic Terms. P.i.n.o.k. I. O – Pupils For Innovation As A Key To Intercultural And Social Inclusion. Dlv, 16.
Bazenga, A. (2009). Crosscultural Humour: Humour that divides; Humour that unites. An Introduction, 2.
Bazenga, A., & Antunes, L. M. (2009). Tem mas não há: sorrir em Timor. Jolie 2.
Bazenga, A. (2004). Aspects de l’interface syntaxe/sémantique: le cas des verbes à /complexité/. Studia Romanica Posnaniensia Xxxi: 155-165. Isnn:, 0137-2475.
Brissos, F. (2014). New insights into Portuguese central-southern dialects: understanding their present and past forms through acoustic data from stressed vowels. Journal Of Portuguese Linguistics 13.
Brissos, F., & Saramago, J. (2014). O problema da diversidade dialectal do Centro-Sul português: informação perceptiva versus informação acústica. Estudos De Lingüística Galega, 6, 53-80. Retrieved from http://www.usc.es/revistas/index.php/elg
Cardoso, A., & Magro, C. (2012). The syntax of naming constructions in European Portuguese dialects. Journal Of Portuguese Linguistics 11.
Cardoso, A. (2011). Orações apositivas em português: entre a sincronia e a diacronia. Estudos De Lingüística Galega.
Cardoso, A., Pereira, S., Sousa, O., & Silva, E. (2009). On the Development of Textual Skills. L1 – Educational Studies In Language And Literature 9.
Cardoso, A., & Pereira, S. (2002). Contributos para o estudo da emergência do tempo composto em Português. Revista Da Abralin — Associação Brasileira De Linguística 2.
Cardoso, A., & Magro, C. (2012). The syntax of naming constructions in European Portuguese dialects: variation and change. Journal Of Portuguese Linguistics 11.
Magro, C. (2010). Interpolação & Cia. Nos Dialectos Do Português Europeu. Estudos De Lingüistica Galega, 2, 97-119.
Magro, C. (2010). When corpus analysis refutes common beliefs. The Case Of Interpolation In European Portuguese Dialects. Corpus, 9, 115-135.
Martins, A. M. (2014). How much syntax is there in Metalinguistic Negation?. Natural Language And Linguistic Theory 32. Retrieved from http://link.springer.com/article/10.1007\%2Fs11049-013-9221-9#page-1
Martins, A. M. (2014). Review of: Meisel, Jürgen M. Martin Elsig & Esther Rinke 2013. Language Acquisition And Change. A Morphosyntactic Perspective. Edinburgh: Edinburgh University Press. Folia Linguistica, 48.
Martins, A. M. (2013). Emphatic Polarity in European Portuguese and Beyond. Lingua, 128, 95-123. Retrieved from http://dx.doi.org/10.1016/j.lingua.2012.11.002
Martins, A. M. (2013). The interplay between VSO and coordination in two types of non-dregree exclamatives. Catalan Journal Of Linguistics, 12, 95-123. Retrieved from http://revistes.uab.cat/catJL/article/view/v12-martins/pdf-en
Martins, A. M. (2011). Scrambling and Information Focus in Old and Contemporary Portuguese. Catalan Journal Of Linguistics, 10, 1-26.
Costa, J., & Martins, A. M. (2011). On Focus Movement in European Portuguese. Probus 23.