Dialetologia e Diacronia

O grupo Dialectologia e Diacronia estuda a variação linguística no espaço e no tempo, sob diferentes perspectivas teóricas e cobrindo diversas áreas da gramática. Tem como objectivo geral ampliar o conhecimento sobre a língua portuguesa (e as propriedades universais das línguas naturais), mas descentrando a investigação da(s) variedade(s) padrão e adoptando sempre uma perspectiva comparativa na análise linguística. O grupo produz e disponibiliza recursos concebidos para suportar a descrição e compreensão de variedades, dialectais e históricas, que não coincidem com a competência linguística do investigador (nomeadamente, edições de textos, corpora anotados, léxicos e atlas linguísticos).

 Três equipas de investigação integram o grupo Dialectologia e Diacronia (funcionando em articulação estreita, tanto na partilha de recursos como no cruzamento de competências):
 
ATLAS – Investigação no âmbito da geografia linguística, particularmente direccionada para o estudo do léxico, da fonologia e da morfologia. A equipa, que constituiu e gere um extenso arquivo sonoro, especializou-se na produção de atlas linguísticos e bases de dados lexicais.
 
CARDS/FLY – Investigação no âmbito da variação histórica, com interesse particular na análise do discurso e na pragmática histórica. A produção especializada de edições electrónicas de textos de escrita quotidiana é um objectivo central da equipa.
 
CORDIAL – Investigação no âmbito da sintaxe comparada, com interesse particular na sintaxe dialectal e na sintaxe diacrónica. A contribuição do conhecimento da variação linguística para a compreensão das propriedades universais das línguas naturais e a anotação sintáctica de corpora são preocupações da equipa.

Edição de Atas
Nunes, N. (2008). A terminologia açucareira atual no Atlântico (Madeira, Canárias, Cabo Verde, S. Tomé e Príncipe e Brasil). Lusofonia Tempo de Reciprocidades. Actas IX Congresso da Associação Internacional de Lusitanistas . Universidade da Madeira: Edições Afrontamento.
Nunes, N. (2005). Les noms géographiques historiques et actuels à l’île de Madère. Atti del Congresso Internazionale di Scienze Onomastiche . Pisa: Edizioni ETS.
Nunes, N. (2004). Glossário Românico do Açúcar de Cana: do Mediterrâneo ao Atlântico. Actes du XXIVe Congrès International de Linguistique et de Philologie Romanes . University of Wales, Aberystwyth, UK: Niemeyer. http://doi.org/https://doi.org/10.1515/9783110923568.177
Nunes, N. (2004). A terminologia açucareira no Português de Cabo Verde e de S. Tomé e Príncipe: estudo comparativo. Actas. XX Encontro Nacional da Associação Portuguesa de Linguística . Lisboa: Associação Portuguesa de Linguística.
Nunes, N. (2004). A tradição açucareira dos doces, bebidas e mezinhas no quotidiano das ilhas atlânticas: Madeira, Canárias, Cabo Verde e S. Tomé e Príncipe. O Açúcar e o Quotidiano. Actas do III Seminário Internacional sobre a História do Açúcar . Funchal: Secretaria Regional do Turismo e Cultura da Madeira.
Nunes, N. (2003). A linguagem e a mulher na sátira medieval. Actas do Colóquio Internacional O riso na cultura medieval. Funchal: Universidade Aberta. Retrieved from https://repositorioaberto.uab.pt/bitstream/10400.2/1558/1/nunes.pdf
Nunes, N. (1999). Les noms de métiers de la production sucrière dans l’anthroponymie primitive de l’île de Madère (XVème et XVIème siècles). Actas do XX Congreso Internacional de Ciencias Onomásticas. Universidade de Santiago de Compostela: Fundación Pedro Barrié de la Maza.
Nunes, N. (1999). Terminologia histórica da cultura açucareira nas ilhas atlânticas: Madeira e Canárias (séculos XV e XVI). Les îles Atlantiques: realités et imaginaire . Rennes: Université Haute Bretagne Rennes 2.
Nunes, N. (1996). Os prenomes de escravos na antroponímia primitiva da Madeira (séculos XV a XVII). Actas do XII Encontro Nacional da Associação Portuguesa de Linguística. Braga: Associação Portuguesa de Linguística.
Pereira, S., Pinto, C., & Pratas, F. (2014). Construções comparativas em português: porque algumas são mais iguais que outras. XXIX Encontro da Associação Portuguesa de Linguística. APL.
Cardoso, A., Pereira, S., Antunes, S., & Veloso, R. (2013). A Comment on Comment Clauses: Data from European Portuguese. Proceedings of the VII GSCP International Conference: Speech and Corpora. Florença: Firenze University Press. Retrieved from http://hdl.handle.net/10451/33061
Artigo em Revista
Camps, A., Costa, A. L., & Sebastião, I. (2018). Una educación linguística para formar ciudadanos críticos. Didacticae, (3). http://doi.org/10.1344/did.2018.3.5-15
Bazenga, A. (2012). Do português língua nossa ao português língua também nossa, in Ensaios Lusófonos. F. Cristóvão. Lisboa: Clepul/almedina, Pp. 53-62. Isbn:, 9789724047867.
Bazenga, A., Nunes, N., & Paolinelli, L. (2008). Os Estudos Interculturais na Universidade da Madeira, in Língua Portuguesa - Lusofonia, Memória e Diversidade Cultural. N. Bastos. S. Paulo: Puc-Sp, Pp. 65-76. Isbn:, 852830379.
Bazenga, A., & Araújo, S. (2002). Les constructions en se dans un corpus de verbes marqués par le trait de complexité, in De Lenguas y lenguajes, (Colección de Lingüística, 2). A. Veiga, 84-95622.
Martins, A. M. (2003). Construções com SE: mudança e variação no português europeu, in Razões e Emoção: Miscelânea de estudos em Homenagem a Maria Helena Mira Mateus. I, 2, 19-41.
Martins, A. M., & Albino, C. (1998). Sobre a primitiva produção documental em português: notícia de uma Noticia de auer, in Homenaxe a Ramón Lorenzo. D. Kremer, 1, 105-121.
Martins, A. M. (1985). Vidas de santos de um manuscrito Alcobacense: Vida de Tarsis, Vida de uma Monja, in Vidas de Santos de um Manuscrito Alcobacense (Colecção Mística de Frei Hilário de Lourinhã. Cód. Alc. Cclxvi/antt 2274), 16-19.
Mota, M. A., Rodrigues, C., & Soalheiro, E. (2003). Padrões flexionais nos pretéritos fortes, em PE falado setentrional, in Razão e Emoções: Volume de Homenagem a Maria Helena Mira Mateus. ., II, 129-155.
Carrilho, E. (2008). Beyond doubling: overt expletives in European Portuguese dialects, in Syntax and Semantics. Vol. 36: Microvariation In Syntactic Doubling, 36:, 301-323.
Pratas, F. (2010). ‘I know the answer’: a Perfect State in Capeverdean, in Romance Languages and Linguistic Theory 2010 - Selected papers from Going Romance 24 , Leiden. I. Franco, S. Lusini & A. Saab. Amsterdam/philadelphia: John Benjamins, Pp. 65-86. Doi:, 10., 65-86.
Pratas, F. (2010). States and temporal interpretation in Capeverdean, in Romance Languages and Linguistic Theory 2008 - Selected papers from Going Romance Groningen 2008, ed. R. Bok-Bennema, B. Kampers-Manhe & B. Hollebrandse. Amsterdam / Philadelphia: John Benjamins, Pp. 215-231. Doi:, 10., 215-231.
Bazenga, A. (2007). Aspects de la syntaxe. De La Sémantique Et De La Morphologie Des Verbes À /complexité/. Linguistics Editon, 61.
Álvarez, R., Martins, A. M., Monteagudo, H., & Ramos, M. A. (2013). Ao Sabor do Texto. Estudos Dedicados A Ivo Castro. Santiago De Compostela: Universidade De Santiago De Compostela, Servizo De Publicacións E Intercambio Científico. Isbn:, 978-84.
Segura, L., & Vitorino, G. (2010). Atlas Linguístico-Etnográfico dos Açores. ., II.
Ferreira, M. B., Saramago, J., Segura, L., Vitorino, G., Carrilho, E., & Lobo, M. (2008). Atlas Linguístico-Etnográfico dos Açores. ., I.
Segura, L. (2012). Linguistic and Ethnographic Atlas of Azores (ALEAç). Author Of The Following Linguistic Maps (Morphophonology), 277, 276. Retrieved from http://www.culturacores.azores.gov.pt/alea/
Nunes, N. (2014). Entre ilhas e culturas: palavras e coisas. Património Cultural Das Ilhas Atlânticas. Blogue Memória Das Histórias Das Gentes Que Fazem A História, Newsletter, 22, 7-8. Retrieved from http://memoriadasgentes.blogspot.pt/2014/11/newsletter-22-mobilidades-e.html
Saramago, J. (2012). Linguistic and Ethnographic Atlas of Azores (ALEAç). Author Of The Following Linguistic Maps (Morphophonology), 649, 648. Retrieved from http://www.culturacores.azores.gov.pt/alea/
Bazenga, A., & Sousa, A. (2011). Glossary- Linguistic Terms. P.i.n.o.k. I. O – Pupils For Innovation As A Key To Intercultural And Social Inclusion. Dlv, 16.