Dialetologia e Diacronia

O grupo Dialectologia e Diacronia estuda a variação linguística no espaço e no tempo, sob diferentes perspectivas teóricas e cobrindo diversas áreas da gramática. Tem como objectivo geral ampliar o conhecimento sobre a língua portuguesa (e as propriedades universais das línguas naturais), mas descentrando a investigação da(s) variedade(s) padrão e adoptando sempre uma perspectiva comparativa na análise linguística. O grupo produz e disponibiliza recursos concebidos para suportar a descrição e compreensão de variedades, dialectais e históricas, que não coincidem com a competência linguística do investigador (nomeadamente, edições de textos, corpora anotados, léxicos e atlas linguísticos).

 Três equipas de investigação integram o grupo Dialectologia e Diacronia (funcionando em articulação estreita, tanto na partilha de recursos como no cruzamento de competências):
 
ATLAS – Investigação no âmbito da geografia linguística, particularmente direccionada para o estudo do léxico, da fonologia e da morfologia. A equipa, que constituiu e gere um extenso arquivo sonoro, especializou-se na produção de atlas linguísticos e bases de dados lexicais.
 
CARDS/FLY – Investigação no âmbito da variação histórica, com interesse particular na análise do discurso e na pragmática histórica. A produção especializada de edições electrónicas de textos de escrita quotidiana é um objectivo central da equipa.
 
CORDIAL – Investigação no âmbito da sintaxe comparada, com interesse particular na sintaxe dialectal e na sintaxe diacrónica. A contribuição do conhecimento da variação linguística para a compreensão das propriedades universais das línguas naturais e a anotação sintáctica de corpora são preocupações da equipa.

Artigo em Revista
Bazenga, A. (2009). Crosscultural Humour: Humour that divides; Humour that unites. An Introduction, 2.
Bazenga, A., & Antunes, L. M. (2009). Tem mas não há: sorrir em Timor. Jolie 2.
Bazenga, A. (2004). Aspects de l’interface syntaxe/sémantique: le cas des verbes à /complexité/. Studia Romanica Posnaniensia Xxxi: 155-165. Isnn:, 0137-2475.
Brissos, F. (2014). New insights into Portuguese central-southern dialects: understanding their present and past forms through acoustic data from stressed vowels. Journal Of Portuguese Linguistics 13.
Brissos, F., & Saramago, J. (2014). O problema da diversidade dialectal do Centro-Sul português: informação perceptiva versus informação acústica. Estudos De Lingüística Galega, 6, 53-80. Retrieved from http://www.usc.es/revistas/index.php/elg
Cardoso, A., & Magro, C. (2012). The syntax of naming constructions in European Portuguese dialects. Journal Of Portuguese Linguistics 11.
Cardoso, A. (2011). Orações apositivas em português: entre a sincronia e a diacronia. Estudos De Lingüística Galega.
Cardoso, A., Pereira, S., Sousa, O., & Silva, E. (2009). On the Development of Textual Skills. L1 – Educational Studies In Language And Literature 9.
Cardoso, A., & Pereira, S. (2002). Contributos para o estudo da emergência do tempo composto em Português. Revista Da Abralin — Associação Brasileira De Linguística 2.
Cardoso, A., & Magro, C. (2012). The syntax of naming constructions in European Portuguese dialects: variation and change. Journal Of Portuguese Linguistics 11.
Magro, C. (2010). Interpolação & Cia. Nos Dialectos Do Português Europeu. Estudos De Lingüistica Galega, 2, 97-119.
Magro, C. (2010). When corpus analysis refutes common beliefs. The Case Of Interpolation In European Portuguese Dialects. Corpus, 9, 115-135.
Martins, A. M. (2014). How much syntax is there in Metalinguistic Negation?. Natural Language And Linguistic Theory 32. Retrieved from http://link.springer.com/article/10.1007\%2Fs11049-013-9221-9#page-1
Martins, A. M. (2014). Review of: Meisel, Jürgen M. Martin Elsig & Esther Rinke 2013. Language Acquisition And Change. A Morphosyntactic Perspective. Edinburgh: Edinburgh University Press. Folia Linguistica, 48.
Martins, A. M. (2013). Emphatic Polarity in European Portuguese and Beyond. Lingua, 128, 95-123. Retrieved from http://dx.doi.org/10.1016/j.lingua.2012.11.002
Martins, A. M. (2013). The interplay between VSO and coordination in two types of non-dregree exclamatives. Catalan Journal Of Linguistics, 12, 95-123. Retrieved from http://revistes.uab.cat/catJL/article/view/v12-martins/pdf-en
Martins, A. M. (2011). Scrambling and Information Focus in Old and Contemporary Portuguese. Catalan Journal Of Linguistics, 10, 1-26.
Costa, J., & Martins, A. M. (2011). On Focus Movement in European Portuguese. Probus 23.
Martins, A. M. (2011). Clíticos na história do português à luz do teatro vicentino. Estudos De Lingüística Galega, 3, 55-83.
Hornstein, N., Martins, A. M., & Nunes, J. (2008). Perception and Causative Structures in English and European Portuguese: Φ-feature Agreement and the Distribution of Bare and Prepositional Infinitives. Syntax 11.
Hornstein, N., Martins, A. M., & Nunes, J. (2006). Infinitival complements of perception and causative verbs: a case study on agreement and intervention effects in English and European Portuguese. University Of Maryland Working Papers In Linguistics, 14, 81-110.
Martins, A. M., & Nunes, J. (2006). Raising issues in Brazilian and European Portuguese. Journal Of Portuguese Linguistics, 4, 53-77.
Martins, A. M. (2005). Emphatic affirmation. .
Batllori, M., Iglésias, N., & Martins, A. M. (2005). Sintaxi dels clítics pronominals en català medieval. Caplletra, Revista Internacional De Filologia, 38, 137-177.
Martins, A. M. (1998). On the Need of Underspecified Features in Syntax. Polarity As A Case Study. Glow Newsletter, 40, 46-47.
Martins, A. M. (1997). Mudança sintáctica: clíticos. Negação E Um Pouquinho De Scrambling. Estudos Lingüísticos E Literários, 19, 129-161.
Martins, A. M. (1994). Enclisis, VP-deletion and the nature of Sigma. Probus, 6, 173-205.
Contini, M., Martins, A. M., & Vitorino, G. (1987). L Analyse phonologique des parlers romans dans le cadre de l ALIR . Géolinguistique, 3, 51-88.
Martins, A. M., & Vitorino, G. (1984). Les désignations de l´hirondelle dans les parlers romans (ALE. 114). Géolinguistique, 1, 129-154.
Mota, M. A., Miguel, M., & Mendes, A. (2012). A concordância de p6 em português falado. Os traços pronominais e os traços de concordância . Papia, 22 (1), 161-187.