Dialetologia e Diacronia

O objeto central de estudo do grupo Dialetologia e Diacronia (D&D) é a variação linguística, ao longo dos séculos e abrangendo diversas áreas geográficas. Os estudos descritivos e teóricos do grupo, que são regularmente publicados em revistas e volumes de prestígio, são acompanhados pela construção de diversos recursos digitais a partir de documentos históricos ou de dados orais contemporâneos em variedades não-padrão da língua portuguesas ou de línguas relacionadas com o português. Uma parte substancial destes dados orais foi recolhida em Portugal, quer nos arquipélagos da Madeira e dos Açores, quer no continente, sendo algumas das variedades em estudo faladas em diferentes pontos da fronteira com Espanha. Adicionalmente, o D&D estuda variedades do português ou relacionadas com o português que são, em grau variável, produto do contacto com outras línguas, tal como acontece com o cabo-verdiano e o português brasileiro. Todos estes trabalhos assumem uma perspetiva comparativa com outras línguas naturais, de diversas épocas e regiões.

As variedades-padrão, no entanto, não ficam para trás, uma vez que parte das atividades e resultados do grupo diz respeito (i) à intrincada articulação entre elas e as variedades não-padrão, e (ii) o desenvolvimento de novas ferramentas para o ensino formal do português.

Esta inclusão de variedades padrão e não-padrão assegura uma ponte entre a investigação teórica e a comunidade em geral (incluindo colaborações muito produtivas com outras entidades de ensino do português, tanto em Portugal como no estrangeiro), também garantida pela presença regular de vários membros do grupo em seminários e conferências online de acesso livre, e ainda reforçada por iniciativas de comunicação científica, como publicações para o público em geral e eventos culturais orientados para a linguagem.

Artigo em Revista
Costa, T., Sousa, O., & Cardoso, A. (2015). Compreensão na leitura num manual de Estudo do Meio. Da Investigação Às Práticas, 5(I), 98-117.
Martins, A. M. (2015). Ordem de palavras e polaridade: inversão nominal negativa com algum/alguno e nenhum. Diacrítica, 29(1), 401-428.
Nunes, N. (2015). Viagem através das palavras: a metáfora e a metonímia na atual terminologia açucareira de Cabo Verde, de S. Tomé e Príncipe e do Brasil. ., 4, 78-111.
Brissos, F. (2017). Documentação linguística das zonas raianas de Portugal e Espanha: o projeto Frontespo, com análise do caso da Beira Baixa / Extremadura espanhola». Revista Da Associação Portuguesa De Linguística, 3, 21-49.
Bazenga, A. (2018). Aspetos interdisciplinares e linguísticos na construção da identidade madeirense. Pensardiverso, 6.
Costa, A. L. (2018). Variação linguística e ensino de Português, Língua não Materna: o caso dos pronomes átonos. Medi@ções. Revista Online Da Escola Superior De Educação Do Instituto Politécnico De Setúbal, 6.
Mendes, F., & Costa, A. L. (2018). Para uma bibliografia comentada de livros infantis “com matemática”. Revista Educação E Matemática, 147.
Nunes, N. (2018). A Voz de Origem: Identidade Sociocultural e Linguística nas Histórias de Vida de Migrantes Madeirenses e seus Descendentes na Venezuela. Pensardiverso, 6.
Nunes, N., & Camacho, I. (2018). Português língua de herança e português língua não materna: (re)construção de identidades através da experiência de ensino-aprendizagem no curso intensivo de verão para lusodescendentes da Universidade da Madeira. Revista Diacrítica, 32(2), 31. http://doi.org/DOI: https://doi.org/10.21814/diacritica.32.2 (Original work published 2019)
Nunes, N. (2019). A Emigração de Água de Pena e a sua Antroponímia nos Livros de Passaportes do Governo Civil do Funchal de 1955 a 1970. Arquivo Histórico Da Madeira, Nova Série, nº 1, 26. Retrieved from https://ahm-abm.madeira.gov.pt/index.php/ahm/article/view/19/11 (Original work published 2019)
Nunes, N. (2019). O Léxico da Cultura Açucareira na Construção do Mundo Atlântico: Madeira, Canárias, Cabo Verde, S. Tomé e Príncipe, Brasil, Venezuela e Colômbia. Veredas: Revista Da Associação Internacional De Lusitanistas, n. 29, 25. Retrieved from https://revistaveredas.org/index.php/ver/article/view/535/429 (Original work published 2019)
Nunes, N. (2017). A Translocalidade da Cultura Açucareira: O Funchal, Cidade do Açúcar, entre o Mediterrâneo e o Atlântico. Translocal. Culturas Contemporâneas Locais E Urbanas, nº 1. Retrieved from http://translocal.cm-funchal.pt/wp-content/uploads/2018/01/Translocalidade-Cultura-Acucareira.pdf (Original work published 2017)
Nunes, N., & Camacho, I. (2017). Língua Portuguesa, Literatura e Cultura Madeirenses. Testemunho da Experiência do Curso Intensivo de Verão para Lusodescendentes na Universidade da Madeira. Translocal. Culturas Contemporâneas Locais E Urbanas, nº 1. Retrieved from http://translocal.cm-funchal.pt/wp-content/uploads/2018/01/CursoLusodescendentes.pdf (Original work published 2017)
Nunes, N. (2017). Regionalismos Madeirenses: Estudo Lexicológico da Variação Dialetal e Sociolinguística na Ilha da Madeira. Revue De Linguistique Romane, Tome 81, nº 323-324, 42. (Original work published 2017)
Nunes, N. (2016). Um conto popular e dois romances tradicionais nas memórias de uma contadora de estórias da Ponta Delgada, ilha da Madeira (Portugal). Pensardiverso. Memórias. Revista De Estudos Lusófonos Da Universidade Da Madeira, nº 5, 45. Retrieved from https://digituma.uma.pt/bitstream/10400.13/1735/1/Um%20conto%20popular%20e%20dois%20romances%20tradicionais%20NaideaNunes%20.pdf (Original work published 2016)
Nunes, N. (2008). Mudança e variação na terminologia açucareira atual do Brasil. Linguística. Revista De Estudos Linguísticos Da Universidade Do Porto, 3, nº 1, 18. Retrieved from http://ler.letras.up.pt/uploads/ficheiros/6881.pdf (Original work published 2008)
Nunes, N. (1997). Alguns aspetos da antroponímia primitiva da Madeira (séculos XV e XVI). Os nomes geográficos e a origem geográfico-dialetal do povoamento do Arquipélago da Madeira. Islenha, nº 20 , 9. (Original work published 1997)
Saramago, J., & Segura, L. (2016). “Açores e Ilha de Santa Catarina: 8000 quilômetros e 260 anos depois. Cascavel-Pr: Edunioeste; Londrina: Eduel,, Estudos geossociolinguísticos brasileiros e europeus: uma homenagem a Michel Contini, 11.
Brissos, F., & Rodrigues, C. (2016). Vocalismo acentuado do Noroeste português - descrição acústica, variação dialectal e representação fonológica. Revue Romane, 51, n. 1, 1-35. http://doi.org/10-1075/rro.51.1.01bri
Lao, S., Rodrigues, C., & Brissos, F. (2020). Nasalização regressiva heterossilábica (NRH) da vogal /a/ acentuada em PE. Revista Da Associação Portuguesa De Linguística, (7), 295-317. http://doi.org/10.26334/2183-9077/rapln7ano2020a18
Manuscrito
Vaamonde, G., & Magro, C. (2016). Manual de Edición en PS. Retrieved from http://ps.clul.ul.pt/files/Manual\_Mod\_Pos\_Sin.pdf
Vaamonde, G., & Magro, C. (2016). Manual de edición y anotación en TEITOK de los materiales de PS. POST SCRIPTUM: edición modernizada; anotación morfosintáctica; anotación sintáctica. Retrieved from http://ps.clul.ul.pt/files/Manual\_Mod\_Pos\_Sin.pdf
Artigo de Jornal
Bacelar do Nascimento, M. F., Casteleiro, J. M., Marques, L. G., Segura, L., & Santos, M. (182AD). Notícia sobre os resultados do Português Fundamental. Boletim Da Sociedade De Língua Portuguesa, pp. 11-15. Lisboa.
Relatório
Martins, F., Rodrigues, C., Brissos, F., & Simões, D. (2013). Relatório do Núcleo de Investigação em Fonética Forense (NIFF) - 2013 (p. 5 p.).